Banco digital: contador de sucesso é antenado às novas tendências

Categoria: Dicas

Postado em 3 de junho de 2019

minutos

Até pouco tempo atrás, ninguém imaginaria a agilidade que a tecnologia traria para a vida das pessoas. O seu escritório de contabilidade mesmo deve estar passando por essa revolução, certo?

Para ser um contador de sucesso é preciso que você fique conectado às novas tendências bancárias, principalmente para melhor orientar seus clientes, tanto pessoa física, quanto jurídica.
Por exemplo, os tradicionais bancos de físicos antes só precisavam se preocupar em ganhar dinheiro e serem lucrativos. Mas tudo isso começou a mudar devido às tecnologias emergentes. Hoje setor enfrenta desafios sem precedentes devido à ascensão de empresas de tecnologia financeira.

Entenda o que são os bancos digitais

Desde 2016 os bancos digitais vêm buscando seu espaço no mercado brasileiro. E estão conseguindo. Bancos digitais atuam totalmente (ou quase) sem contato pessoal, seja por meio de aplicativos ou Internet Banking.

Segundo a Febraban, para ser considerado digital, o banco necessita cumprir alguns requisitos básicos. A agência precisa garantir processos não presenciais, com captura digital de documentos e informações. Além disso, fazer a coleta de assinaturas de forma eletrônica.

É importante também assegurar o acesso a canais eletrônicos a todos os tipos de consultas e para contratação de produtos. Por fim, é preciso apresentar solução de problemas por mais de um canal sem que o cliente precise ir a uma agência física

Tanto as pessoas físicas quanto jurídicas podem ter uma conta digital.

No caso da pessoa física, basta apresentar documentos pessoais, como RG ou CPF para abrir a conta. Além disso é preciso que seja maior de 18 anos e passe por uma análise de crédito da própria instituição. A  conta digital é indicada para aqueles clientes heavy users, ou seja, que usam, integralmente, os meios eletrônicos para efetuar suas transações.

O avanço dos bancos digitais

De acordo com a pesquisa da Febraban de Tecnologia Bancária 2019, realizada em parceria com a Deloitte, os gastos com tecnologia no setor bancário representam 14% do total das despesas. No Brasil foram US$ 41,3 bilhões. No mundo, os valores chegaram a US$ 2,8 trilhões.

As contas abertas por meio do mobile banking cresceram 56% em 2018. Somaram 2,5 milhões de contas, contra 1,6 milhão em 2017.

A modalidade mobile banking já ultrapassa o internet banking nas transações com movimentação financeira, como pagamentos de contas e transferências/DOC/TED. Os pagamentos de contas via mobile banking alcançaram R$ 1,6 bilhão.

Em transferências, DOC e TED foram R$ 862 milhões. A preferência pelo canal mobile sugere que a próxima fase para facilitar a vida do cliente envolva investimentos e aplicações. Nos próximos dez anos, o Goldman Sachs estima que as mais de 400 fintechs brasileiras possam gerar US$ 24 bilhões.

A interações por canais digitais crescem cada vez mais:

  • Web-Chat – 138,3 milhões, com aumento de 364%
  • E-mail – 618 milhões de interações em 2018, com crescimento de 19%
  • Chat Bot – 80,6 milhões de interações em 2018, um incremento de 2.585%

Conheça os principais bancos digitais brasileiros

1. Nubank

O Nubank foi primeira empresa financeira 100% digital a fazer sucesso no Brasil.

Sem agências, seus serviços são mais baratos. Lançada como NuConta em 2017,  seu objetivo é redefinir a maneira de cuidar do dinheiro.

A NuConta não cobra anuidade e o cliente não paga nada para transferir para outra NuConta. Oferece TEDs ilimitados e gratuitos em transferências para contas correntes de outros bancos e permite depósitos por meio de um boleto totalmente sem custo. Também não há custo para ativar e nem para receber um cartão.

A única tarifa cobrada é um valor de R$ 6,50 por saque. Apenas os clientes que utilizarem esta opção e, somente quando utilizarem, pagam. Esta cobrança se deve ao fato de o banco usar a estrutura de uma rede externa para viabilizar saques para os clientes. Os saques podem ser feito na rede Banco24Horas. O Nubank não trabalha com contas PJ.

2. Original

Criada em 2016, a conta digital do Banco Original é uma das poucas que cobra taxa mensal de manutenção de conta.

A tarifa cobrada é de R$ 12,90 mensais, com direito ao uso ilimitado de serviços por um ano. onta disponibiliza transferências via TED para outros bancos, saque em caixas eletrônicos da rede Banco 24 Horas e emissão de extratos.

3. Next

O Banco Next foi criado em 2017 pelo Banco Bradesco para competir com os outros bancos digitais. O banco oferece alguns planos, desde o famoso “Na Faixa”, que é gratuito, até planos mais completos, mas com cobranças de taxas mensais de manutenção de conta.

Seus serviços são semelhantes aos outros bancos digitais. A abertura de conta é feita toda pelo aplicativo e ela pode ser usada para pagar boletos, consultar fatura de cartão de crédito, realizar saque em caixas eletrônicos 24 horas e também do Bradesco.

O Next tem alguns recursos interessantes, como o Flow, Vaquinha, Objetivo e Mimos. Os mimos são os mais atrativos, oferecendo descontos em lojas e serviços, como Cinemark, Uber, iFood, lojas virtuais e outros.

Até o final de 2019, o Next deve se separar do Bradesco e se tornar independente. O objetivo é atrair novos sócios. Ainda não foi definido o novo modelo e nem o tipo de investidor que o banco pretende atrair.

4. Banco Inter

Apesar do problema de suposto vazamento de dados em 2018, depois confirmado pelo banco, que está sendo avaliado pela Justiça de Brasília, em sigilo, o Banco Inter informou que atingiu em abril de 2019 a marca de 2 milhões de correntistas. Em apenas seis meses, o Inter dobrou o número de pessoas com acesso a uma conta completa, gratuita e digital.

O Inter tem a vantagem de ser uma plataforma completa. Oferece desde conta corrente completa e 100% gratuita, incluindo para empresas Conta Digital PJ  e Conta Digital para MEI. Além disso, há para empresas, incluindo até 100 TEDs e 100 boletos gratuitos por mês e não cobram taxas. Basta baixar o app do Inter no Android ou iOS.

As tecnologias emergentes estão influenciando as mudanças do bancos tradicionais. Nem todos os bancos digitais oferecem contas PJ. Podemos citar entre elas o Santander, Agibank e o próprio Inter.

Mas no final do ano passado, o Banco Central autorizou as instituições financeiras a abrirem contas digitais para pessoas jurídicas sem a necessidade de ida a agências para apresentação de documentos e assinatura presencial de contratos.

Os contadores devem pesquisar muito cada banco, as condições que oferecem, pois há muitas diferenças – principalmente na cobrança de tarifas – para poderem aconselhar o melhor serviço a seus clientes. Principalmente os empreendedores mais jovens.

Leia mais no blog sobre como a tecnologia pode trazer mais vantagens para você se tornar um contador de sucesso ao orientar seus clientes.

Comentários