Até agora muita coisa mudou em relação à tecnologia. Inteligência Artificial (IA), realidade virtual, hiperautomação, cloud computing, 5G e Internet das coisas (IoT) são apenas algumas das principais tendências que brilharam em 2021.  

Mas você sabe o que mudou nas tecnologias em relação aos serviços financeiros? Ou, melhor, o que vai mudar nos próximos anos?

A transformação digital segue a pleno vapor quando o assunto são serviços financeiros e toda empresa tech, que quer se manter competitiva, precisa acompanhar essas mudanças.

Preparado para descobrir o que vai mudar nas tecnologias de serviços financeiros daqui para a frente? Então leia o post até o final! 

Principais mudanças nas tecnologias de serviços financeiros

Independentemente de ser uma pessoa física ou jurídica, uma coisa é certa: todos dependem de serviços financeiros. 

Por ser indispensável e fazer parte do nosso cotidiano, ficar por dentro de todas as mudanças tecnológicas é essencial para acompanhar o mercado. Inclusive descobrir novas oportunidades de negócio.

Abaixo veja o que vai mudar nas tecnologias de serviços financeiros nos próximos anos:  

1- Fintechs vão conduzir novos modelos de negócios

Até alguns anos atrás, as fintechs sofriam barreiras para entrar no setor de serviços, mas hoje a história é outra. As pessoas estão vendo o potencial em recorrer a essas empresas em vez de outros bancos e isso tem aberto as portas para esse modelo de negócio. 

Nubank, Banco Inter e C6 Bank, por exemplo, são fintechs que entraram no mercado para desmistificar os serviços financeiros e já conquistaram um grande número de clientes. 

Devido ao seu crescimento rápido e alto índice de aprovação, tudo indica que essas empresas vão ganhar cada vez mais notoriedade e conduzir a novos modelos de negócios. 

Para ter ideia do quanto as fintechs estão em alta, o investimento em startups bateu recorde no primeiro semestre de 2021 segundo a base de dados Crunchbase. Foram cerca de US$ 288 bilhões investidos, uma alta de 95% quando comparado ao mesmo período de 2020. 

2- Tecnologias serão cada vez mais utilizadas para a coleta de dados e análises

Tecnologias para a coleta de dados e análises não é nenhuma novidade, mas a tendência é que as empresas utilizem cada vez mais ferramentas com esse propósito.

Com o apoio da tecnologia, o conhecimento sobre as finanças será ainda mais amplo. E as informações coletadas poderão auxiliar bancos, empresários, gestores e até mesmo contadores em análises e tomadas de decisões relacionadas aos negócios.     

3-  A monetização de dados aprimorará a experiência do cliente

O comportamento do consumidor já não é mais o mesmo e hoje é praticamente impossível descobrir quais são suas reais necessidades sem o apoio de uma ferramenta tecnológica. 

Antigamente, as informações sobre o cliente eram baseadas apenas em históricos de compras e pesquisas. Mas esses resultados agora são vagos para compreender o público e direcionar ações estratégicas com assertividade. 

Hoje muitas empresas de tecnologia já coletam informações por meio da monetização de dados e com base nos resultados aprimoram a experiência do cliente. E a perspectiva é que no futuro essa prática se torne comum, ainda mais em se tratando de organizações que trabalham com serviços financeiros. 

4- As empresas vão ter que interagir e se manter conectadas

Para permanecerem competitivos, os bancos não poderão mais ver outras instituições financeiras como uma ameaça e sim como uma parceria. 

Antes das fintechs, os grandes bancos realizavam disputas pelo cliente ofertando melhores taxas e condições de pagamento. Mas hoje, com o PIX e outras opções no mercado digital, esses fatores dificilmente serão levados em consideração na hora da pessoa escolher uma empresa.  

O que realmente irá diferenciar os bancos nos próximos anos serão os serviços financeiros oferecidos ao cliente. Também a forma com que as instituições escolhem interagir e se mantêm conectadas. 

Nubank, Picpay e Nomad são plataformas que revolucionaram os serviços financeiros e permitem realizar todas as transações em um aplicativo. E mantêm contato com o público por meio de sites, blogs e até redes sociais.     

5- Os bancos terão que orientar o cliente por insights

Os bancos devem elevar a confiança do consumidor, deixando de ser apenas uma instituição que mantém o dinheiro retido para atuar também como conselheiros. 

Devem oferecer, além dos serviços tradicionais, assessoria e insights para que as pessoas aumentem o conhecimento sobre as finanças e, claro, melhorem o controle sobre suas vidas financeiras e digitais. 

6- Instituições financeiras precisarão alinhar os propósitos aos valores ambientais e sociais

Assim como a tecnologia, o meio ambiente e a sustentabilidade são assuntos altamente discutidos na atualidade. E podemos dizer que eles ainda estarão nas redes de conversas nos próximos anos. 

Os consumidores estão mais conscientes quanto aos impactos ambientais e a autorresponsabilidade em corrigir os problemas. Assim sendo, darão preferência às instituições financeiras que alinham seus propósitos aos valores ambientais e sociais. 

Os bancos terão que desenvolver um ecossistema empresarial que siga esse objetivo. De que forma? Abraçando a inovação tecnológica e desenvolvendo produtos capazes de beneficiar a todos. A transformação digital não para e todo dia surgem novas tecnologias de serviços financeiros que prometem revolucionar o mundo. Se manter atualizado sobre o mercado tech é importante para sobressair e agir com antecedência. Por isso, se gostou do conteúdo, continue lendo o nosso blog para ficar por dentro de todas as novidades relacionadas à tecnologia, serviços financeiros e inovação!