Saiba como avaliar o fluxo de caixa da sua empresa

Categoria: Geral

Postado em 15 de abril de 2020

Shot of a young businessman working in an office

Nenhuma empresa pode se dar ao luxo de ignorar seu fluxo de caixa. Monitorar isso é como monitorar seu pulso — é uma verificação de saúde crucial para os seus negócios. E não é por acaso que a grande maioria dos empreendedores cita problemas com o fluxo de caixa como uma barreira ao seu crescimento.

Diante de sua importância, é crucial entender qual é o fluxo de caixa da sua empresa, como calculá-lo, e como usar essas informações para tornar seu negócio mais dinâmico principalmente em períodos de crise, como passamos agora com o coronavírus (Covid-19). Tendo tais informações de forma rápida e segura, é possível tomar melhores decisões — seja para reduzir custos, seja para fazer novos investimentos.

Para que você aprenda a avaliar o fluxo de caixa da sua empresa, preparamos este artigo para você. Leia agora mesmo!

O que é fluxo de caixa?

O fluxo de caixa refere-se à movimentação de dinheiro dentro e fora do seu negócio em termos de receita e despesa. No modelo ideal, o empresário tem um fluxo de caixa positivo — o que significa que mais dinheiro entra no negócio do que sai. 

Se você tiver um fluxo de caixa positivo, sua empresa poderá pagar suas contas e investir em crescimento. Um fluxo de caixa negativo significa que você precisará encontrar uma fonte alternativa de renda para poder pagar as dívidas.

Se você deseja calcular o fluxo de caixa líquido, basta adicionar todos os seus pagamentos por um período determinado (normalmente um mês) e retirá-lo dos seus recebimentos. Seu fluxo de caixa pode ser julgado com mais precisão por um período de três meses ou mais, já que a maioria das empresas terá, naturalmente, altos e baixos.

Embora o giro do estoque pode dar uma sensação agradável que seu negócio está indo bem, é apenas o fluxo de caixa que oferece uma melhor visão de como sua empresa está realmente. Como diz o velho ditado empresarial: rotatividade é vaidade, lucro é sanidade e fluxo de caixa é realidade.

Como analisar o fluxo de caixa

O capital de giro é uma parte importante de uma análise de fluxo de caixa. Ele é definido como a quantidade de dinheiro necessária para facilitar as operações e transações comerciais e é calculada como ativo circulante menos passivos circulantes. 

O cálculo da quantidade de capital de giro fornece uma análise rápida da liquidez dos negócios durante o período contábil futuro. Se o capital de giro parecer suficiente, o desenvolvimento de um orçamento de fluxo de caixa pode não ser crítico. Mas se o capital de giro parecer insuficiente, um orçamento de fluxo de caixa pode destacar problemas de liquidez que podem ocorrer durante o próximo ano.

Ou seja, o capital de giro está diretamente ligado à saúde financeira de todo negócio, e saber calculá-lo é de fundamental importância para ter maior segurança no dia a dia da empresa e em novos investimentos.

Para saber exatamente qual é o capital de giro de uma empresa, é necessário subtrair todas as despesas e obrigações financeiras e tributárias da disponibilidade de caixa. É considerado como despesas os custos fixos (sejam eles previsíveis ou programados), como contas a pagar, empréstimos, fornecedores, salários e encargos dos funcionários, aluguéis, água, luz, telefone, internet, entre outros.

Já a disponibilidade financeira são todos os recursos que possam ser convertidos facilmente em liquidez, como contas a receber, aplicações financeiras, valores em contas bancárias, entre outros. Desta maneira, quanto maior for o capital de giro de uma empresa, maior sua capacidade de cumprir seus compromissos e realizar novos investimentos.

Componentes de análise de um fluxo de caixa

Os componentes da demonstração do fluxo de caixa fornecem uma visão detalhada da gestão financeira das operações, investimentos e financiamentos, que são:

Atividades operacionais

As entradas operacionais incluem dinheiro recebido de vendas/contas a receber pagas. As saídas operacionais incluem dinheiro pago a fornecedores, folha de pagamento dos funcionários, impostos não relacionados a investimentos ou financiamentos e amortização de ativos de negócios.

Atividades de investimento

Refere-se à compra ou venda de ativos não relacionados às operações do dia a dia, como equipamentos de negócios, imóveis ou valores mobiliários. O dinheiro gasto na compra desses itens deve ser marcado como saída; o dinheiro que você ganha vendendo ou alugando é considerado influxo.

Atividades de financiamento

Emitir ações aos acionistas ou recomprá-las, efetuar pagamentos de empréstimos comerciais ou distribuir dividendos são exemplos de atividades de financiamento. Se você obteve um empréstimo para sua empresa, por exemplo, o empréstimo seria registrado como uma entrada; no entanto, cada pagamento que você fizer no empréstimo será registrado como saída.

Depois de registrar todas as transações relevantes na demonstração do fluxo de caixa, adicione tudo para chegar ao saldo final (o valor restante no final do período da demonstração do fluxo de caixa). Se o saldo final for maior que o saldo inicial, você terá um fluxo de caixa positivo . Se for menor, você tem um fluxo de caixa negativo.

Conte com ajuda profissional

Como você acompanhou em nosso artigo, uma análise de fluxo de caixa de uma empresa requer conhecimento sobre finanças e controle rígido sobre os números, já que qualquer dado que seja lançado errado pode trazer sérias consequências ao relatório final, ainda mais em momentos de crise..

Uma forma de evitar problemas é contar com o apoio de profissionais especialistas ao seu lado. Aqui na Gestão Contabilidade temos um time de profissionais especialistas em finanças e que lhe ajudarão a analisar com maior facilidade o fluxo de caixa do seu negócio.

Se gostou de nosso artigo sobre análise de fluxo de caixa, confira também outros artigos que temos em nosso blog! São materiais valiosos e que farão sua empresa crescer ainda mais!

Comentários

Receba os destaques por e-mail